viveredit

Como parar de trabalhar e começar a viver


Você continuaria fazendo o que faz se não precisasse mais se preocupar com dinheiro?

Se a resposta for sim, que maravilha! Você ouviu o seu chamado e provavelmente é uma pessoa feliz e realizada, pelo menos nesse aspecto. Se a resposta for não, talvez seja agora a hora de repensar suas escolhas. A vida passa muito rápido para ser desperdiçada fazendo algo que não tem outro propósito além do dinheiro.

Uma coisa é certa: quem faz o que gosta não sente que trabalha, e sim que move-se pela vida e ainda ganha dinheiro para isso. Quem faz o que gosta não separa o trabalho da vida, simplesmente vive. Fomos levados a acreditar que temos que escolher uma “carreira respeitável pra ser alguém na vida”, e o resultado disso é um monte de gente insatisfeita, estressada, fazendo algo que não gosta – ou que até gosta, mas que definitivamente não continuaria fazendo se de repente ganhasse na loteria – pra poder ganhar dinheiro e sustentar um estilo de vida que não necessariamente é o que se queria, mas que é o socialmente aceito.

Desde sempre somos estimulados a escolher uma carreira dentre aquelas que já existem. Quantos pais estimulam seus filhos a expressarem o seu potencial criativo e descobrirem seus talentos – e a partir daí sim cultivar um espírito empreendedor e rentável -, ao invés de escolher um curso para prestar vestibular? Pouquíssimos. O resultado disso é um monte de gente trabalhando e deixando a vida passar por causa do emprego. Pessoas já começando a semana contando os dias para a sexta-feira. Pessoas totalmente desconectadas do presente, vivendo à espera do futuro. Soa familiar? Então definitivamente a hora de repensar é agora!

O lado bom disso é um grande número de pessoas percebendo a fria na qual se meteram e largando tudo pra fazer o que gostam. Pessoas que cada vez mais têm coragem de ir atrás de expressar seus verdadeiros talentos.

Mas agora você pode estar pensando: “Sim, isso é tudo lindo e maravilhoso e eu adoraria fazê-lo, mas como eu faço pra descobrir o que eu realmente gosto, a minha verdadeira vocação? Eu me arrisco a dizer que é simples, porém não necessariamente é fácil. Se você não tiver tido nenhuma epifania, vai exigir tempo, esforço e desprendimento da sua parte, assim como tudo o que é bom na vida exige.

1. Se dê espaço para descobrir aquilo que realmente te move

Crie um ambiente propício para isso. Vá pra a praia, pra um jardim, fique na cama até mais tarde, ou seja lá onde for que te permita estar bem à vontade. Aqui o negócio é bater um papo bem franco consigo mesmo, se perguntando “o que é que eu, de verdade, gosto de fazer?”. Fazer um brainstorm, sem julgamentos. Não pense em termos de o que você gosta de fazer que é útil. Nesse momento pense somente no que você gosta de fazer, e ponto! Tomar sorvete? Desenhar? Conhecer lugares novos? Ler? Jogar futebol? Não interrompa nem julgue os pensamentos, deixe eles fluírem e vá anotando.

2. Observe-se e perceba qual é a essência da sua personalidade

Essa parece um pouco mais difícil, mas não é. Tem gente que gosta de ficar parada, concentrada em uma tarefa o dia inteiro, e tem gente que se não se mexer, fica doida. Algumas pessoas adoram ficar dentro de casa, outras precisam estar ao ar livre. Umas gostam de falar muito e são naturalmente sociáveis, enquanto outras são naturalmente mais solitárias. Enfim, faça uma auto-análise e se permita descobrir como você é, em vários aspectos. Não existe certo nem errado, existe você.

3. Descubra qual é o seu propósito na vida

Ok, ninguém tem só um propósito na vida, mas sempre tem um que fala mais alto que os outros e guia a maior parte das nossas escolhas. Por exemplo, um jornalista é, idealmente falando, alguém cujo propósito de vida é entregar a verdade para as pessoas, e por isso escolheu essa profissão. Um médico é alguém que tem como propósito de vida livrar as pessoas das enfermidades do corpo. Um professor de yoga é alguém cujo propósito é guiar pessoas pelo caminho do autoconhecimento. O propósito é, em outras palavras, a forma como você gostaria de servir as pessoas. Esse é um momento muito importante, porque tudo aquilo que é feito para satisfazer apenas a nós mesmos em algum momento gera insatisfação. Curiosamente, é a parte que a maior parte das pessoas não pensa na hora de escolher o que quer fazer da vida. Ainda não pense em termos de profissão ou ofício. Pense somente em como você gostaria de melhorar a vida dos outros, ou melhor, no que você gostaria de proporcionar aos outros. Isso tem muito a ver com crenças e valores pessoais, por isso tenha paciência e ouça por aquilo que está lá ressoando dentro de você, só esperando uma oportunidade para se manifestar.

4. Agora, misture tudo e veja quais são as suas possibilidades reais.

Pegue algumas daquelas coisas que você listou como as que mais gosta de fazer, veja como elas podem se combinar com a essência da sua personalidade e com o seu propósito de vida a fim de se tornar algo rentável para você e interessante para as pessoas. Agora sim comece a pensar em termos mais concretos. Visualize, sonhe, pesquise, planeje, escreva, crie. Não necessariamente nessa ordem! 

5. Arrisque-se.

E agora, meu amigo e minha amiga, o negócio é se jogar. Se você puder, se jogue de vez.  Se não, vá se aventurando aos poucos, mas não tenha medo. O máximo que pode acontecer é não dar certo. E aí é só começar tudo de novo, afinal a vida não é uma contagem regressiva. :)

Ao contrário do que dizem, nunca é tarde para começar do zero. Não vou dizer que é fácil, e nem que todo mundo vai te apoiar, mas isso na verdade não importa muito. O que importa é que você pare de perder seu tempo e energia em causas que não valem a pena. Não deixe pra viver a vida quando se aposentar. Não viva no plano do “quando” e do “se”, porque isso é um enorme desperdício de vida. Até porque o passado já passou, e o futuro, na verdade, nem existe.

E você, tem alguma história pra contar?

soteropolitana, estudante de vedanta, formada em design gráfico, criadora, autora e ilustradora do respire e seus yoginhos. acredita que ser feliz é coisa simples e que yoga é para todos.

Comentários pelo facebook

Comentários

8 comentários sobre “Como parar de trabalhar e começar a viver

  1. Me sinto muito aliviada em saber que gosto do que faço, independente do dinheiro!

    Texto muito legal! Um mini manual prático para alguém tentar se aventurar em algo que realmente goste :) Isso pode mudar vidas, pois aposto que muita gente precisa só de um pontapézinho (e esse post além disso, está instruindo como tentar).

    Parabéns! \o/

    • Que bom saber! Obrigada! Essa é a minha intenção: inspirar pessoas, mostrar outros pontos de vista, seja através de palavras ou colocando-as em posturas estranhas, de cabeça pra baixo… quanto mais gente feliz tiver por aí, melhor será esse mundo louco em que vivemos 😀

  2. Adorei o texto. Reflete exatamente como penso e sinto. E penso que quando pensar e sentir estão alinhados(coerentes)numa mesma intenção, nossas escolhas se tornam mais assertivas e a vida fica mais leve…

    Excelente blog, parabéns!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>